Inventando moda no Barro Preto (¹)

Como vocês já perceberam, nos fins de semana meu negócio é explorar a cidade em busca de novos locais para fazer as minhas caminhadas.

Ontem pela manhã, por acaso, descobri um lugar incrível!

Não é praça, não é parque. É pista de rua inventada na hora.

O fato é que eu e minha esposa havíamos saído de casa com o intuito de caminhar na Praça da Assembleia, e no meio do caminho resolvemos passar no Mater Dei para buscar os resultados de exames que eu havia feito naquele hospital alguns dias atrás.

Foi então que a coisa aconteceu!

Ao passar pela rua Tenente Brito Melo em frente ao belíssimo prédio da Sala Minas Gerais, Casa da Filarmônica, percebemos que o local é plano, arborizado e com pouco trânsito de veículos.

Rua Tenente Brito Melo em frente à Casa da Filarmônica (foto: José Walker)

Aí não deu outra. Estacionamos o carro e resolvemos caminhar ali mesmo.

E para não ficar só naquele trecho de rua, resolvemos explorar o entorno. Descobrimos que não só a Tenente Brito Melo tem essas características, mas as demais ruas do quarteirão também (Gonçalves Dias, Juiz de Fora e Alvarenga Peixoto).

Empolgado com a descoberta, comentei com minha esposa que seria bom se transformassem aquele quarteirão em pista de caminhada oficial, com direito a faixa pintada no chão, marcos indicadores de distância, melhoria das calçadas, etc.

Nem cheguei a saber a opinião dela sobre o assunto. Como sempre caminho a 6 quilômetros por hora e ela a 3 ou 4, aos poucos fui me distanciando. Mas a ideia não me saia da cabeça.

De repente, ao virar em uma das esquinas do quarteirão, me deparei com outro caminhante seguindo um pouco à frente, no mesmo sentido e no mesmo ritmo que eu.

Foi uma surpresa para mim. Afinal, eu tinha acabado de inventar aquela pista e achei que eu e minha esposa éramos as únicas pessoas a caminhar por aquelas bandas.

Curioso, acelerei o passo e ao ficar lado a lado com o outro, perguntei se ele sempre caminha naquele trecho, ou se o fazia pela primeira vez, como eu.

Ele disse que mora no Gutierrez, mas gosta de caminhar ali, pois é um local plano e tranquilo. Exatamente o que eu havia constatado minutos antes.

Aí a conversa fluiu naturalmente. Falamos sobre as demais pistas de caminhada de BH, sobre exercícios físicos em geral, sobre os benefícios da caminhada (e da corrida), e quando passamos pelo prédio da Filarmônica, sobre arte e cultura em geral.

E a comparação foi inevitável. Brasil e Europa. Eu disse que havia acabado de tirar algumas fotos do prédio da Filarmônica e que aquele conjunto arquitetônico – o novo e o antigo preservado (o casarão da rua Uberaba) – não fica nada a dever a seus pares europeus.

Casa da Filarmônica vista da rua Uberaba (foto: José Walker) 

Falamos também de venezas, florenças, vienas, andaluzias e outras maravilhas mundo afora. A conversa foi tão boa que nem vi o tempo passar. Quando dei por mim, já estava na hora de ir embora…

E sabem a que conclusão cheguei?

Caminhar também é cultura!

(¹) Veja correção na página Atualizações / Correções de texto

Compartilhe!
  • José Walker

    Olá Bretas!
    Bom te ver aqui no blog.
    Melhor ainda é saber que você se lembrou dos bons tempos da infância e adolescência.
    Obrigado pela correção e pela participação.

  • José Eduardo

    Caro José Walker,

    Morei minha infância toda e parte da minha adolescência nesta região do bairro Santo Agostinho. Barro Preto é da Av. Barbacena para baixo, em direção à sede do Cruzeiro. Lá eu brincava, jogava bola, soltava papagaio e era muito feliz. Continue mandando estas delícias de artigos. Abs.

  • Luiz Henrique

    Realmente a região é muito tranquila e agradável. Seria muito bom transformar o local em mais um local para caminhada. As ruas são planas, largas, arborizadas e com passeios também largos e confortáveis para uma caminhada. Além do prédio da filarmônica existem muitas casas antigas que também são muito bonitas. Circular de carro também é muito bom, pois o calçamento é muito bem feito, trazendo um conforto para circular, coisa rara em BH. Parabéns José Walker. Descobriu mais um local muito agradável em BH.

    • José Walker

      Obrigado pelo comentário, Luiz Henrique!
      Você descreve, com exatidão, o que senti ao caminhar por lá.
      E pensar que, como este, muitos outros lugares fantásticos estão espalhados pela cidade, só esperando que os descubramos.
      Grande abraço!

  • Tropical Panda

    Que isso! Não conheço esse prédio, é muito bonito! Vou conferir depois!

    Abraço, Lucas Veloso.

    • José Walker

      Maravilha, não é Lucas?
      Eu já o conhecia, mas à noite.
      Durante o dia é realmente espetacular!!!
      Grande abraço e obrigado pela participação.