Coisas que aprendi na rua

Praça da Liberdade, Parque Municipal, Lagoa da Pampulha, Praça Floriano Peixoto, Andradas, Bento Simão, Praça da Assembleia, José do Patrocínio Pontes, Bandeirantes, José Cândido da Silveira, Lagoa Seca, Barragem Santa Lúcia e Parque Municipal são alguns dos locais onde costumo fazer minhas caminhadas em BH.

Lagoa da Pampulha – Foto: Carlos Avelin

Na página onde caminhar, uma das primeiras que criei aqui no blog, eu apresento informações úteis sobre estes locais, mas existem detalhes de que ainda não falei e não poderia deixar de compartilhar com vocês. Vejam abaixo:

  • Praça da Liberdade: uma das principais atrações turísticas da cidade; bom local para caminhar, mas em certos dias e horários o ritmo da caminhada pode ser prejudicado devido ao grande fluxo de pessoas;
  • Parque Municipal: abriga 280 espécies de árvores, mais de 100 espécies de aves e pequenos animais como marrecos, gansos, micos e esquilos, o que transforma a caminhada por lá em uma verdadeira expedição à natureza;
  • Lagoa da Pampulha: assim como a Praça da Liberdade, é uma das principais atrações turísticas da cidade; uma boa opção para fugir do congestionamento nas imediações da igrejinha é fazer a caminhada do outro lado da lagoa, onde se encontram o Museu de Arte e o Pampulha Iate Clube;
  • Praça Floriano Peixoto: um dos locais onde acontecem apresentações musicais com maior frequência na cidade; nessas ocasiões, devido às pequenas dimensões da praça, é possível caminhar e ouvir música ao mesmo tempo;
  • Avenida dos Andradas: totalmente plana e livre de obstáculos; lá você pode seguir o mesmo ritmo de caminhada do princípio ao fim, sempre olhando pra frente, sem medo de tropeçar;
  • Praça da Assembleia: o ideal é caminhar na parte de cima, para evitar o sobe e desce nas imediações da avenida Olegário Maciel;
  • Avenida José do Patrocínio Pontes: faça sua caminhada na parte plana do circuito, admirando a imponência da Serra do Curral, que em alguns trechos se pode, literalmente, tocar;
  • Avenida Bento Simão: o aspecto curioso desta avenida é que nos domingos uma de suas pistas é fechada ao trânsito de veículos, não por iniciativa da Prefeitura, mas de um vendedor ambulante que faz ponto no local.

Estes e outros macetes só se aprendem na rua, não é mesmo?

E então, o que você está esperando? Deixe o carro na garagem e saia caminhando pela cidade. Você vai redescobrir porque é tão belo o nosso horizonte!

 

Compartilhe!
  • Guilherme

    Olá,

    Boas dicas!! Só mesmo caminhando bastante para pegar esses macetes né?
    haha

    Parabéns pelo blog!

    • José Walker

      Obrigado Guilherme!

      Você sacou bem a jogada. É caminhando que a gente pega esses macetes e passa a valorizar ainda mais a nossa BH.
      Grande abraço!