A calçada idheal

Depois de ler o título acima, você deve estar se perguntando por que grafei ideal com “h”, não é mesmo?

Resolvi fazê-lo depois que li o artigo “Uma calçada pra chamar de sua” publicado recentemente pela jornalista Maria Zulmira de Souza no Conexão Planeta.

Vejam o que ela diz:

“Estou convencida de que a qualidade das calçadas deve fazer parte do IDH – Índice de Desenvolvimento Humano. Penso nisso todas as vezes que saio para caminhar pelo bairro onde moro, a Lapa, na zona Oeste de São Paulo”.

“Encontrar alguns metros de calçada onde você pode caminhar sem ter medo de tropeçar, cair no buraco ou ter que se contorcer para ultrapassar os obstáculos é uma raridade”, afirma a jornalista.

Maria Zulmira se refere às calçadas paulistanas, mas poderia estar falando das calçadas belo-horizontinas ou das calçadas de qualquer outra grande cidade brasileira.

Não é a primeira vez que alguém associa a qualidade das calçadas ao IDH. Esta associação, que para alguns pode parecer exagero, para mim faz todo o sentido.

Procure observar as calçadas de sua cidade e compare com as calçadas de outras cidades brasileiras. Você verá que, salvo raras exceções, a situação não é muito diferente: falta de padronização, buracos, desníveis, obstáculos por toda parte.

Agora vejam a foto abaixo, que mostra Santiago, uma das cidades mais caminháveis que conheço. Depois voltem à foto de abertura, onde aparece uma das ruas do incrível bairro El Golf, na mesma Santiago, e tirem suas próprias conclusões.

Avenida Los Leones em Santiago, Chile (Foto: Lude G.B.)

Sabem por que a diferença? Porque o Chile investiu pesado em educação nos últimos 30 anos e educação, ao meu ver, é o componente mais representativo do IDH. Tanto que o Chile ostenta hoje o título de país mais desenvolvido da América Latina.

Portanto, se quisermos sair da incômoda situação em que nos encontramos, temos que seguir o mesmo caminho. Temos que começar agora, mesmo sabendo que só colheremos os frutos dentro de algumas décadas.

Quem sabe Belo Horizonte, que guarda certas semelhanças com Santiago, não dá o exemplo e inicia agora uma revolução, priorizando a educação entre suas metas de governo?

Aliás, educação é a base de tudo, não é mesmo?

Foto de abertura: Lude G.B.

Compartilhe!