Parque Municipal e Praça da Estação

Lazer e cultura no centro de Belo Horizonte

Este roteiro começa em um dos mais belos parques urbanos do país, o parque Municipal Américo Renné Giannetti, ou simplesmente Parque Municipal, como o chamam os belo-horizontinos. O Parque ocupa uma área de 182 mil metros quadrados e fica bem no centro da cidade.

Entre pelo portão da avenida Afonso Pena que fica defronte à avenida Álvares Cabral, vire à esquerda e siga pela pista asfaltada até o Teatro Francisco Nunes, carinhosamente chamado de Chico Nunes.

Teatro_Francisco_Nunes a noite grande

A importância do Chico Nunes se deve ao fato de que na época de sua inauguração, em 1950, a cidade andava carente de teatros. O Teatro Municipal havia se transformado em cinema e o Palácio das Artes ainda não existia.

Depois de passar pelo Chico Nunes, vire à esquerda e siga até o coreto que fica logo adiante. É um bom local para tirar fotos.

coreto parque municipal foto andre zuliani

Foto: André Zuliani

Saindo do coreto, pegue uma das trilhas que conduzem a um dos recantos mais agradáveis do parque, o Lago dos Barcos, e se tiver tempo e disposição dê umas remadas para se exercitar um pouco.

lago dos barcos média foto juarez rodrigues

Foto: Juarez Rodrigues

Em seguida, compre um ingresso e dê umas voltas na tradicional roda gigante que fica ali perto. Aproveite a oportunidade e admire, lá do alto, a beleza do parque.

Próximo à roda gigante fica o ponto de parada de um interessante trenzinho, que com seus vagões multicoloridos, circula pelos principais logradouros do parque. É um bom programa para as crianças.

Um pouco adiante desse ponto de parada pegue, à esquerda, uma das trilhas que conduzem a uma pequena ponte de madeira em arco. Cruze a ponte e dirija-se ao Lago dos Marrecos. Procure relaxar e admirar a beleza do local.

lago dos marrecos com marrecos foto ana paula gonzaga

Foto: Ana Paula Gonzaga

A partir daí, continue caminhando pelo interior do parque. Você acabará chegando a outros recantos como o Lago do Quiosque e ao Orquidário Municipal, onde os orquidófilos de BH costumam se encontrar.

Se você trouxe algo para comer, é hora de se sentar à sombra das árvores e fazer a sua refeição. Depois, quem sabe, deitar-se e relaxar um pouco, curtindo o silêncio e o canto dos pássaros.

Descansou? Então vamos fazer o lado cultural do passeio. Saia do parque pelo portão que fica defronte a esquina das ruas Tamoios e Bahia, vire à direita e siga em direção ao Boulevard Arrudas, ladeando o Viaduto de Santa Tereza.

Cruze a avenida dos Andradas e chegue em frente ao prédio onde funcionou a antiga Serraria Souza Pinto e hoje, completamente restaurado, recebe grandes eventos.

serraria souza pinto media

Olhe para cima e imagine a altura entre o nível da rua e o topo do arco de concreto que fica um pouco à frente no viaduto. Se você imaginou algo em torno de 25 metros, acertou.

Agora, imagine alguém caminhando lá em cima.

É o que se propunham fazer os jovens escritores modernistas de Minas Gerais lá pelos idos de 20 do século passado, capitaneados por Carlos Drummond de Andrade, e duas décadas depois, os “os quatro cavaleiros do apocalipse” Fernando Sabino, Paulo Mendes Campos, Otto Lara Rezende e Hélio Pellegrino.

viaduto santa tereza cheio carros

Mas deixe essa loucura de lado e passe por baixo do viaduto, seguindo a rua Aarão Reis em direção à Praça da Estação. A pavimentação em paralelepípedo foi reconstituida recentemente, procurando resgatar o piso original, da época da construção da capital. À direita, alguns prédios remanescentes daquela época, pertencentes à Rede Ferroviária Federal.

Mais alguns passos e você estará diante da Praça Rui Barbosa, mais conhecida como Praça da Estação. O destaque aqui fica por conta do prédio da antiga estação ferroviária da Central do Brasil, uma bela construção em estilo neoclássico. Observe os detalhes da torre frontal onde se encontra o relógio, aliás o primeiro relógio público instalado na cidade.

praca-estacao-daniel-mansur_jpg_1000x390_q65_box-0,96,800,408_crop_detail

Foto: Daniel Mansur

Este prédio abriga um dos museus mais originais do país, o Museu de Artes e Ofícios (MAO). O museu, com um grande acervo de utensílios, máquinas e equipamentos, se propõe divulgar o universo do trabalho, das artes e dos ofícios no Brasil. É visita obrigatória.

museu de artes e oficios Ofícios-do-Transporte-Gakeria-A-Foto-Daniel-Mansur-670x420

Foto: Daniel Mansur

Ao sair do museu, passe pelo Monumento à Civilização Mineira, erigido bem no centro da praça. Depois, atravesse a avenida dos Andradas e se dirija ao outro lado da praça, o lado ajardinado. Na esquina da rua da Bahia com a avenida Santos Dumont você estará diante de outra construção antiga e bem conservada. Trata-se do Centro Cultural da UFMG, instalado no prédio da antiga Escola Livre de Engenharia.

centro cultural ufmg

Mais adiante, seguindo em direção à rua Guaicurus, você verá o prédio de uma antiga fabrica de tecidos que hoje abriga um importante espaço cultural, conhecido como “Estação Cento e Quatro“.

Segundo os responsáveis, o Cento e Quatro “é um espaço democrático, aberto ao debate e à formação artística”. Um espaço “mutável e multiuso, ao mesmo tempo, café, cinema e galeria”.

Gostou? Então, programe-se para uma sessão de cinema ou um cafezinho mais tarde, pois o passeio ainda não terminou. Falta visitar ainda outro importante espaço cultural, o complexo conhecido como “Casa do Conde de Santa Marinha”, que fica ali pertinho, do outro lado da avenida.

É só atravessar a avenida do contorno e seguir em frente pela rua Januária. Você verá não uma casa, mas um verdadeiro palacete, com dezenas de cômodos e um imenso jardim.

casa do conde grande

Atualmente, o espaço é ocupado pela Fundação Nacional de Artes (Funarte), responsável pela programação cultural dos cinco galpões e das oito salas de exibição que fazem parte do complexo.

Compartilhe!